Voltar ao topo.
Prefeitura Municipal de Nova Boa Vista

O perigo do uso constante de venenos para sua saúde

« Anterior« Última» Próxima» Primeira
ImprimirReportar erroTags:assunto, passar, insônia, irritabilidade, tremores, câimbras, muscular e fraqueza1374 palavras22 min. para ler
O perigo do uso constante de venenos para sua saúdeVer imagem ampliada
Você, agricultor, que trabalha na lavoura, ou com frutas e hortaliças, ou que trabalha em silos e agropecuárias, já passou mal alguma vez após trabalhar com agrotóxicos? Sentiu náuseas, cefaleia, ardência na garganta, dificuldade para respirar, tosse ou alguma alergia nos olhos e na pele? E não procurou atendimento no Posto de Saúde, certo? Tomou um paracetamol ou qualquer outro medicamento que tinha em casa e foi dormir mais cedo para tentar se recuperar...pois no dia seguinte a lida continua...especialmente em épocas de safra, plantio...É assim que acontece na grande maioria de casos de INTOXICAÇÕES AGUDAS POR AGROTÓXICOS. Este tipo de intoxicação causa sintomas variados e de intensidades diferentes dependendo do tipo de produto usado e da quantia do mesmo que o organismo foi capaz de absorver.

UM EXEMPLO BEM SIMPLES: o agricultor precisa fazer o controle da lagarta da soja antes que as pragas causem muito prejuízo – sai às pressas e compra o inseticida recomendado – prepara a calda sem nenhuma proteção – aplica com um trator sem cabine fechada – por ser muito quente, usa apenas um boné, chinelos e regata – no máximo coloca uma máscara bem simples “para não respirar o veneno”. Aí complicando um pouco mais, começa a ventar – mesmo que de leve - enquanto está aplicando o produto! Mas você precisa terminar o seu serviço…afinal...tempo é dinheiro também! Qual o resultado disso? Horas depois a pessoa sente um enorme cansaço e mal estar, que pode vir acompanhado de outros sintomas mais graves. Saiba que não é só seu nariz que pode absorver a névoa produzida pelos pulverizadores, seus olhos e toda a pele que estiver exposta também absorve os agrotóxicos, além disso, as máscaras simples não “filtram” adequadamente o ar que você respira enquanto faz as aplicações.

E aí você deve estar pensando: ESTA INTOXICAÇÃO PODE ME TRAZER COMPLICAÇÕES NO FUTURO? Claro que sim! Se uma pessoa, por exemplo, passa 20, 30, 40 anos de sua vida lidando com venenos e outros produtos químicos (como tratamento para sementes, uso de tintas, solventes, colas), SEM USAR NENHUM EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO - tem uma grande probabilidade de desenvolver ao longo da vida distúrbios respiratórios, infecções pulmonares, alterações no funcionamento dos rins e do fígado, da tireóide, infertilidade, além de  chances de ocorrer má formação fetal e claro, facilitar o desenvolvimento de algum tipo de CÂNCER no organismo.

Muito importante salientar que não são só agricultores, técnicos agrícolas e operários de silos, armazém/agropecuárias que correm riscos de intoxicações. Estes profissionais apresentam sintomas mais visíveis, no entanto, todos nós respiramos venenos diversos, pois nossa cidade é cercada de lavouras. Também ingerimos agrotóxicos diariamente que estão presentes na maioria dos alimentos produzidos.

DE QUE FORMA ALGUÉM QUE MORA NA CIDADE INGERE AGROTÓXICOS?

 Hoje vários pacotes de alimentos, até mesmo a ração dos animais, possuem este símbolo na embalagem. Talvez você nunca tenha prestado atenção, mas significa que o alimento, por exemplo: “Cheetos Fandangos”, que a maioria das crianças consome, é feito com milho transgênico, ou seja, sementes geneticamente modificadas, tratadas, manipuladas quimicamente...

Como o milho e soja transgênica são cultivados? As lavouras podem ser “dessecadas” e aplicadas diversas doses de produtos químicos para controle de pragas. Resumindo, todo alimento que compramos sem saber como foi produzido contém pequenas doses de VENENO que vão sendo ingeridas diariamente sem percebermos.

O ROUNDUP – GLIFOSATO, SECANTE MAIS USADO ATUALMENTE, É MESMO TÓXICO?

Não se iluda com a rotulagem do produto, na cor verde, que diz “Pouco Tóxico” ou em outros casos, em azul, “Mediamente Tóxico”. A grande maioria dos casos de intoxicação ocorre justamente pelo uso descuidado desde agrotóxico e do Paraquat. Uma porque são os mais usados, de menor custo, com tempo maior de exposição e repetidas aplicações anuais. Outro motivo também é que algumas pessoas ainda acham que “secante não é veneno forte”, e por isso não usam nenhum tipo de tipo de EPI, ou então usam somente uma máscara bem simples.

Cada agrotóxico possui uma tarja que classifica seu grau de toxicidade, no entanto, esta é muito relativa. Podemos exemplificar que algumas gotas de um produto de tarja vermelha –Ex: alguns venenos para controle de lagartas da soja– caiam em sua pele ou sejam ingeridos podem ser fatais. Em contato com a pele, causam feridas que infeccionam facilmente. A gravidade de sintomas é menor com produtos de tarja verde ou azul, no entanto, a intoxicação também ocorre, só que de forma lenta e gradual.

AS INTOXICAÇÕES CRÔNICAS ocorrem depois de exposições contínuas a pequenas doses de venenos, ao longo de muitos anos. As intoxicações menos intensas – que não requerem internação hospitalar -e que a pessoa pensa “me senti mal mas isso logo passa” provocam danos mais graves e irreversíveis ao organismo. Uma pessoa jovem que trabalha com agrotóxicos continuamente sem proteção pode até sentir-se bem, no entanto, com o passar dos anos, conforme for envelhecendo, podem vir a surgir um conjunto de sintomas: dores de cabeça frequentes, fraqueza muscular, câimbras, tremores, irritabilidade e insônia, perda gradual da memória, ansiedade e depressão, além de outros agravos citados anteriormente, incluindo o câncer. Aí fica o questionamento, você deseja ter um futuro assim? Sem qualidade de vida quando pudesse estar desfrutando de uma aposentadoria?


SE O USO DE AGROTÓXICOS É INDISPENSÁVEL, COMO SE PROTEGER?

Sim, nós sabemos que atualmente a variedade de produtos disponíveis no mercado contribui com o aumento da produtividade de qualquer alimento e no controle de vetores e pragas. No caso, VENENO NÃO É APENAS O QUE SE PASSA NA LAVOURA, COM OS PULVERIZADORES. Produtos tóxicos também são os que se usam nos pomares, nas estufas de hortaliças (controle de mosca branca, por exemplo), na dezensetização de residências, pátios e  vias públicas, produtos aerossóis para controle de vetores (Raid, SBP, Butox, Kotrine, entre tantos outros) e até o aparelhinho repelente que usamos no quarto para “espantar os pernilongos” também podem fazer mal se usados em excesso.

 

OUTROS CUIDADOS IMPORTANTES

Sempre realize a tríplice lavagem das embalagens, fure-as e guarde em local adequado para o recolhimento. Não jogue em uma vala ou no mato! Também não as reutilize para usá-las como baldes na propriedade!
Leia as instruções do rótulo do produto e também peça orientações ao Agrônomo/Técnico Agrícola que o atendeu. Siga as recomendações específicas de uso para cada produto.
Muitas vezes o barato sai caro! Não compre produtos clandestinos ou vá no “achômetro” do que deve ser usado na propriedade. Busque orientação técnica – Secretaria de Agricultura – EMATER – empresas comerciais de sua confiança. Por vezes, o produto com menor custo, é o mais tóxico para o ser humano, então vale a pena se informar bem sobre o custo X benefício de cada marca comercial.
Não beba, fume ou coma nada enquanto estiver lidando com venenos. Lave muito bem as mãos com água e sabão durante e após o manuseio de agrotóxicos.
Compra de EPI pode parecer cara, mas é viável, sim! Troque esta roupa após as aplicações e não as lave com as demais roupas da casa. Siga as instruções de lavagem de cada modelo de EPI.
Não armazene venenos e demais produtos químicos dentro de casa, no carro ou em locais em que crianças e animais domésticos tenham acesso. Preferencialmente, guarde estes produtos em local distante da casa e chaveado por precaução.
Busque informações sobre tratamentos alternativos para o controle de pragas de sua horta/pomar com os Técnicos da Secretaria de Agricultura e EMATER. Existem métodos menos nocivos para produção de alimentos de boa qualidade.
Procure a Unidade Básica de Saúde sempre que apresentar sintomas de intoxicações acima descritos. Os profissionais de Saúde precisam NOTIFICAR EM UM SISTEMA ESPECÍFICO DE INFORMAÇÕES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E REGISTRAR os casos de intoxicações por agrotóxicos e demais produtos químicos, afim de desenvolver ações que sejam capazes de reduzir problemas de saúde da população que manipula venenos.


Referências: Curso sobre “Intoxicações por Agrotóxicos” promovido pelo CEREST – Centro de Referência em Saúde do Trabalhador, 15ª Coordenadoria Regional de Saúde de Palmeira das Missões e CEVS – Centro Estadual de Vigilância em Saúde - no último dia 08 de novembro na Câmara Municipal de Vereadores de Palmeira das Missões.

Campanha educativa promovida pela Secretaria Municipal de Saúde, Agricultura e Meio Ambiente e EMATER de Nova Boa Vista. OBS: este informativo foi elaborado em linguagem popular para melhor compreensão do assunto.

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it
Portal da transparência
Cadastre-se e receba novidades
78
128--